EVENTOS

No balanço anual do Core-MG, muitas realizações em prol da categoria

25 Outubro, 2019

Solenidade de comemoração do Dia Pan-americano do Representante Comercial foi realizada em 4 de outubro

Em um ano de atividade, não foram poucas as realizações do Conselho dos Representantes Comerciais de Minas Gerais (Core-MG) em prol da categoria, como destacou o presidente da entidade, Álvaro Fernandes, durante a solenidade de comemoração do Dia Pan-americano do Representante Comercial e de prestação anual de contas da entidade.

O evento, realizado na sede do Core-MG, em Belo Horizonte, em 4 de outubro, contou também com a presença do presidente do Confere, Manoel Affonso Mendes de Farias Mello, do procurador  geral-adjunto do Conselho Federal, Izaac Pereira Inácio, do presidente do Core-SP, Sidney Fernandes Gutierrez e do diretor tesoureiro da entidade paulista, Dante Orefice Júnior, além de diretores do Core-MG e dos ex-presidentes Wellington Pedrosa e Maurício Ludgero Siqueira.


Entre as atividades e iniciativas desenvolvidos nos últimos 12 meses, Álvaro Fernandes destacou a ampliação dos canais de comunicação (entre eles, o site, o Portal da Transparência, a Revista, o Canal no Youtube e o grupo no WhatsApp), o combate à inadimplência e os protestos da dívida ativa e da contribuição tributária devida à entidade.

O presidente fez também um balanço dos principais projetos em andamento: Identidade em Mãos, Core Viajante, Representação em Debate, Capacitação Técnica em Representação Comercial, Atendimento Jurídico e Fiscalização Eficiente.

Confira, adiante, o detalhamento de cada um deles.

Perspectivas da economia para 2020

Na ocasião, o jornalista João Borges, da emissora a cabo Globonews e da Rádio CBN, proferiu a palestra “Questões econômicas e perspectivas do mercado para 2020 após a conclusão das reformas em tramitação no Congresso Nacional”. O evento contou com uma expressiva presença de profissionais da área e convidados em geral.


Confira a seguir os principais tópicos abordados por ele na palestra:

Recessão profunda

Na avaliação de Borges, o país nunca passou por uma recessão tão profunda e por um período também tão prolongado e sem perspectiva de recuperação.

Variação do PIB

De acordo com ele, pode-se considerar positivo o resultado o Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre do ano. De qualquer forma, o resultado do quarto trimestre será mais significativo em termos de perspectivas para o ano que vem. “Se entrarmos em 2020 voando muito baixo, o cenário será ruim. Mas, se o quarto trimestre sinalizar para um quadro mais favorável, como esperamos, o cenário para 2020 será mais positivo”, assinalou.

Taxa de desemprego

Desde 2015, na avaliação do jornalista econômico, o país enfrenta uma crise de desemprego muito expressiva, com um agravamento crescente, uma vez que, segundo ele, o desemprego praticamente dobrou em dois anos. O quadro tendo a ser menos grave, pois a população ocupada é crescente, ainda que sem emprego formal ou com carteira assinada.

Segundo ele, contudo, o indicador mais relevante para empresários, como parte dos que têm empresas de Representação Comercial, é um eventual crescimento na confiança na economia por parte dos trabalhadores que estão, efetivamente, empregados. “Este é o indício de que as coisas irão melhorar. Pois, atualmente, todos estão ainda adiando o consumo, ou seja, mantendo um comportamento defensivo diante das incertezas do futuro”, explicou.

Elevação da renda

Para Borges, portanto, o cenário será melhor para todos na medida em que a massa de 90 milhões de brasileiros empregados passam a ter uma perspectiva de elevação da renda. Essa maior confiança, somada à renda oriunda do esforço de cada um – mesmo no setor informal – irá criar as perspectivas positivas para 2020 e também para os próximos anos.

Inflação sob controle

O jornalista apontou ainda, como fator positivo neste eventual contexto de recuperação, o fato de a inflação brasileira se manter, pelo terceiro ano consecutivo, num patamar abaixo dos 3% ao ano. Este é um indicador relevante, uma vez que a inflação chegou a romper o patamar dos 10% em 2015.

Ele ressaltou que inflação baixa não é, necessariamente, característica de períodos de recessão. “O país já viveu cenários de recessão com inflação alta, por isso o quadro hoje é favorável a uma eventual, porém esperada, reação da economia. Avaliamos que, entre 2020 e 2022, a inflação não vai superar os 4% ao ano. Mas temos de ficar atentos, pois o Brasil ainda tem uma cultura da indexação muito forte. Quem tem margem para reajustar preços não pensa duas vezes. É preciso superar para sempre essa cultura”.


Estado quebrado

O especialista aponta outro grave gargalo da economia brasileira: o fato de o Estado estar, literalmente, quebrado. Segundo ele, “o país saiu de um cenário de superávit nas contas públicas, por volta de 2011, para um déficit que hoje atinge R$ 300 bilhões ao ano. Só na Previdência, temos uma despesa do INSS que cresce R$ 50 bi ao ano. Sabemos que a reforma da Previdência vai controlar o déficit, mas não eliminá-lo.”

Cenário externo

Na opinião de Borges, o contexto externo também não se mostra favorável com a política de desestabilização de Trump e sua visão de “american first”. Por outro lado, a Europa vive sob as ameaças de desequilíbrio do Brexit. Para ele, o mundo vive uma espécie de pavor de os EUA entrarem em uma recessão, fazendo com que o convívio democrático internacional seja cada dia menos possível.

Contexto político tenso

Borges avalia que, desde julho de 2013, quando manifestações de rua tomaram conta o Brasil, o país vive um quadro de tensão política crescente. Para ele, as eleições de 2014 ficaram muito mal resolvidas, resultando no impeachment de Dilma Rousseff dois anos depois. E a gestão de Temer foi, também, marcada por crises políticas constantes, ampliando o nível de tensão que perdura até hoje, no governo Bolsonaro. “Os ruídos que vêm hoje do governo e da política não são agradáveis”.

Agenda liberal de Guedes

“Temos de acreditar na agenda liberal do ministro Paulo Guedes. Afinal, o governo está quebrado. Seja Guedes ou seja outro o ministro, não temos como escapar de uma agenda liberal, marcada por privatizações. Essa agenda é uma imposição da própria realidade”, sugeriu.

Opção de investimentos

Borges teceu um cenário que poderá ser favorável ao Brasil, dependendo dos contextos econômico e político futuros. Segundo ele, existe hoje, no mundo, um montante de cerca de US$ 15 trilhões que está praticamente sem rendimento no mercado, em função dos juros negativos praticados por vários países do primeiro mundo.

“São recursos que estão disponíveis para serem investidos, o que seria uma grande oportunidade para o Brasil. Para isso, no entanto, o Brasil tem de oferecer condições especiais, como boa gestão econômica, maior segurança jurídica, estabilidade política e um bom ambiente regulatório”, ponderou.

.............................................................................

Presidente Álvaro: ‘Uma solenidade de importância dupla para todos nós


Confira trechos do discurso do presidente Álvaro Fernandes com destaque para ações do Core-MG nos últimos 12 meses:

Senhoras e senhores, essa solenidade tem importância dupla para todos nós. Estamos aqui para celebrar o Dia Pan-americano da categoria (cuja data simbólica foi na última terça-feira, 1º de outubro), bem como para prestarmos contas, ainda que de forma sintetizada, dos últimos 12 meses de gestão.

Como de costume, inicio destacando a importância da Representação Comercial e dos profissionais que labutam na mediação de negócios. Esse destaque já se tornou o meu mantra. É prazeroso enaltecer a nossa profissão. Saber que a maioria das empresas produtoras e distribuidoras Brasil afora só se constitui e cresce graças ao nosso trabalho é deveras recompensador. Por isso devemos nos orgulhar!! Por isso temos que nos valorizar!!

Ressaltamos que o Core-MG continuou, nos últimos 12 meses, a executar o seu programa gestor, com as inovações implementadas desde 2016 pela nossa gestão. Neste contexto, destacamos:

- Nossos canais de comunicação estão mais abrangentes e eficientes, atingindo um número cada vez maior de representantes comerciais. Fazemos informação em tempo real por meio do Site, do Portal da Transparência, da Revista, do Canal no Youtube e do WhatsApp. Essa amplitude de veiculação informativa é, sem dúvida, a maior da história da entidade e motivo de orgulho para a nossa atual diretoria.

- O evento de entrega da identidade ao novo filiado, denominado Identidade em Mãos, teve prosseguimento normal. Mensalmente, nos reunimos com recém-registrados da capital e da região metropolitana para repassarmos informações importantes acerca do Core-MG e da profissão. Já os recém-registrados do interior recebem ligações personalizadas dos nossos colaboradores das Delegacias, com o mesmo objetivo de orientação profissional. No decorrer dos últimos 12 meses, nos reunimos com e informamos, através do ‘Identidade em Mãos’, mais de 300 novos representantes comerciais.

- O Core Viajante, em consonância com outros dois programas de trabalho, denominados Representação em Debate e Capacitação Técnica em Representação Comercial, serviu, nos últimos doze meses, a todas as regiões do nosso Estado. Dialogamos com centenas de profissionais da representação comercial em toda Minas Gerais e os capacitamos. Ao encerrar o programa de 2019, mais de 200 Representantes Comerciais terão passado pela capacitação. 

- Se somarmos os dois projetos criados e executados por essa gestão, nestes últimos 12 meses (Identidade em Mãos e Core Viajante), foram mais de 500 Representantes Comerciais capacitados e informados sobre os seus principais direitos e deveres e sobre novas técnicas de vendas. É mais um marco de extrema importância para esta casa e para a categoria.

- O Atendimento Jurídico, um serviço especializado, diferenciado e à disposição dos profissionais registrados no Core-MG. Foram realizados, nos primeiros nove meses de 2019, aproximadamente 600 atendimentos, a maioria relativa a rescisão de contrato, seguida por análise de novos contratos e alterações contratuais, além de cobranças extrajudiciais para conciliação de acerto rescisório, que já somam quase 50 neste período.

- A fiscalização profissional, como objetivo legal e fundamental desta casa, realizou autuações e notificou centenas de empresas em exercício ilegal da atividade. De janeiro até setembro deste ano, foram mais de 1.100 empresas fiscalizadas, grande parte por meio da visita e da orientação da nossa equipe de fiscalização, na capital, região metropolitana e interior.

- E uma novidade: implantamos, a partir de setembro, a Fiscalização Eficiente, com a utilização de tecnologia, via plataforma de dados de empresas em atividade, o que facilitará a localização e agilizará a abordagem da nossa equipe, trazendo para o desempenho da fiscalização, sem dúvida, mais eficiência.

- O combate à inadimplência também segue com a rigidez adotada por nossa gestão, especialmente a partir de 2016. Não é justo que apenas uma parcela contribua para toda a categoria. Por isso, continuamos a priorizar os lançamentos em dívida ativa e, consequentemente, a intensificar as execuções fiscais. Só nos últimos 12 meses, milhares de autos de infração foram enviados, fazendo com que a dívida ativa administrativa chegasse a quase R$ 7,5 milhões.

- Deste total, mais de R$ 4 milhões já estão em procedimento de execução fiscal. É patrimônio do Conselho e da categoria que, legalmente, e de forma gradativa, estamos recuperando.

- Ainda sobre o combate à inadimplência: estamos, desde o final de 2017, realizando o protesto da dívida ativa. É outra frente de recuperação de crédito. Através de convênio não oneroso com o Instituto de Protestos do Brasil, regional Minas Gerais, estamos levando a protesto inúmeros representantes comerciais lançados em dívida ativa. O representante inadimplente, de todos os municípios de Minas Gerais, já está recebendo em sua porta um oficial do cartório de protesto com um comunicado em mãos informando que o Core-MG protestou sua dívida.

- Por sua vez, o protesto da contribuição tributária devida à entidade é mais uma forma de mostrar ao representante inadimplente sua obrigação para com a categoria. Até o final do mês de setembro deste ano, mais de 600 representantes inadimplentes tinham sido protestados.

- É, e continuará sendo, nosso primeiro objetivo, registrado desde o início da nossa gestão, e também nos últimos 12 meses, o compromisso com o trabalho em prol da entidade e a busca da valorização da Representação Comercial. Somos representantes comerciais, incansáveis e vitoriosos. Estamos diretores, conscientes e persistentes na representação da categoria.

Por fim, reitero a nossa determinação de que o trabalho, em parte aqui relatado, continuará no decorrer dos próximos 12 meses, a fim de que tenhamos uma Representação Comercial cada vez mais, e merecidamente mais, valorizada!!!

Viva a categoria mais laboriosa desse país!!!! Viva a Representação Comercial!!!! Muito Obrigado”.


Parceiros

Utilizamos cookies para auxiliar na sua navegação e coletamos dados pessoais para atendimento das atividades finalísticas da entidade ou para atender interesses legítimos. Para mais informações, acesse nossa política de privacidade. Usando nosso portal, você aceita essas condições.

ACEITO